Campanha de Prevenção de Maus tratos na Infância
Serei o que me Deres… que Seja Amor

A CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) dinamiza todos os anos, a nível nacional e durante o mês de Abril, a Campanha do “Laço Azul”, Campanha de Prevenção de Maus tratos a Crianças e Jovens, que este ano tem como Slogan: Serei o que me Deres… Que seja AMOR!

A convite da CPCJ do Seixal, o Centro Paroquial colaborou nesta iniciativa com a elaboração de vários laços azuis feitos pelas diferentes valências da nossa instituição: Creche, CATL, Pré-Escolar, AAAF/CAF e Centro Comunitário de Arrentela. Laços estes que foram expostos em vários locais e entidades do Concelho do Seixal.

No dia 27 de Abril 2021, seis das crianças do CPBESA participaram na entrega de um laço ao grupo de Motards que se juntou á iniciativa no Adro da Câmara Municipal do Seixal, com o objetivo de sensibilizar a população o dever de denunciar os maus tratos e proteger as crianças. Este desfile de Motards passou por diversos locais importantes do nosso concelho, tendo o seu culminar numa cerimónia no Cristo Rei, em Almada, onde foram entregues todos os laços recolhidos no trajeto.

Esta ação contou com a presença de várias personalidades das diferentes IPSS, da Câmara Municipal do Seixal, PSP e CPCJ do Seixal.

Um dia Especial para lembrar a “história do Laço Azul” e o Dever e o Obrigação que Todos Nós temos de Proteger e Cuidar das Crianças e Jovens que serão o futuro da nossa Sociedade, fazendo realçar os Direitos da Criança.

Conheça a História e Origem do Laço Azul

Em 1989, uma mulher norte americana (Bonnie Finney) amarrou uma fita azul na antena do carro, em homenagem ao seu neto, vítima mortal de maus-tratos. Com esse gesto quis “fazer com que as pessoas se questionassem”. A repercussão desta iniciativa foi de tal ordem que abril passou a ser o Mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância.

“O Azul funciona para mim como um constante alerta, para lutar pela proteção das crianças”.

Bonnie W. Finney

A história que Bonnie Finney contou aos elementos da sua comunidade foi trágica: o seu neto já tinha morrido de forma brutal por ter sido espancado pela mãe e pelo namorado.

E porquê azul? Porque, apesar do azul ser uma cor bonita, Bonnie Finney não queria esquecer os corpos cheios de nódoas. O azul, que simboliza a cor das lesões, servir-lhe-ia por isso como uma imagem constante na sua luta na proteção das crianças contra os maus-tratos.

Esta campanha, que começou como uma homenagem desta avó aos netos, expandiu-se e, atualmente, muitos países usam as fitas azuis, durante o mês de abril, em memória daqueles que morreram ou são vítimas de abuso infantil e também como forma de apoiar as famílias e fortalecer as comunidades, nos esforços necessários para prevenir o abuso infantil e a negligência.

Em Portugal, a campanha, simbolizada pelo Laço Azul, é amplamente divulgada por todo o território, quer pela Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, quer pelas CPCJ, que realizam numerosas ações de prevenção contra os maus-tratos.

“Serei o que me deres…que seja amor”, é o Slogan da Comissão Nacional.

No âmbito da campanha de 2021, a Comissão Nacional criou o spot oficial da campanha: